Desporto

GP Sahkir F1: primeira vitória de Sergio Perez num mar de equívocos da Mercedes

Sergio Perez aproveitou o verdadeiro mar de equívocos da Mercedes e o azar de George Russell para rubricar a sua primeira vitória da sua carreira na Fórmula 1. 

Quando ainda não tem lugar na Fórmula 1 em 2021, Sergio Perez veio rescrever o ditado “o que começa torto tarde ou nunca se endireita”, pois, um incidente na primeira volta obrigou-o a parar nas boxes e recomeçar a prova do último lugar.

O piloto mexicano fez um pião face ao desentendimento entre Max Verstappen e Charles Leclerc e ficou na cauda do pelotão. A partir dai foi uma recuperação absolutamente espantosa, beneficiando de dois “safety car” virtuais, um “safety car” e, sobretudo da aselhice da Mercedes.

Valteri Bottas estava sentado num molho de brasas face à arrogância positiva de George Russell. O britânico chegou viu e dominou os treinos livres e na qualificação perdeu por uma piscar de olhos.

Tendo de trabalhar para salvar o seu emprego, Valteri Bottas arrancou bem, mas algo sucedeu pois foi passado por Russell na curva 1. A partir daqui instalou-se a confusão: Bottas bloqueou rodas, mas ficou com o segundo lugar enquanto que Sergio Perez embateu em Leclerc que acabou fora de prova com o braço da suspensão partido. Perez fez um pião e caiu para último. Quanto a Verstappen, safou-se da confusão, mas passou demasiado depressa pela escapatória, perdeu o controlo do RedBull e embatei nas barreira de proteção, acabando ali a sua prova e fazendo sair o “safety car”.

A partir daqui foi a cavalgada de Sergio Perez até aos primeiros lugares e a exibição de George Russell. Ataques de Carlos Sainz a Bottas que não deram em nada animaram as primeiras voltas depois do “safety car”.

Russell foi-se mantendo na frente com Bottas atrás depois de se desembaraçar de Sainz. O espanhol foi perdendo andamento e ficou a liderar um comboio que rodava a pouco mais de dois segundos da dupla da Mercedes.

O finlandês foi encurtando a distância para Russell quando a Mercedes informou os seus pilotos que teriam de esticar a vida dos pneus dos seus monolugares bem para lá daquilo que estava previsto. A perda de performance dos pneus do carro de Bottas permitiu a Russell fugir ao finlandês. 

Mas tudo começou a complicar-se quando um sensor do carro de Russell entrou em “tilt” e levou o britânico a dizer que não tinha potência. A coisa resolveu-se e o piloto da Mercedes construiu uma vantagem suficiente para sair da paragem das boxes com vantagem suficiente para ficar tranquilo na frente.  

Entretanto, a Mercedes alertou para carga excessiva nos pneus dianteiros dos W11 nas curvas 7 e 8, surgindo, logo depois, um “safety car” virtual quando Nicolas Latifi abandonou com um problema de motor. Bottas já tinha encurtado a distância para Russell quando surgiu um segundo “safety car” devido ao despiste de jack Aitken na curva de acesso á reta da meta e deixou lá ficar a asa dianteira.

Russell parou para trocar de pneus, a paragem foi lenta e desastrosa, pois enviaram para a pista o W11 do britânico com pneus que não eram dele. Ora, tinham três voltas para emendar o erro e Russell teve de parar novamente. Já Bottas perdeu quase meio minuto quando se aperceberam do erro e tiveram de retirar os pneus macios e montar, novamente, os pneus duros.

Com tudo isto, Perez ficou na frente (parou antes do safety car virtual para colocar pneus duros) e os Mercedes caíram na classificação. Quando a corrida recomeçou, Russell estava atrás de Bottas, passou pelo finlandês de uma forma espetacular, embora este estivesse em inferioridade no que toca aos pneus. Rapidamente despachou Lance Stroll e Estaban Ocon e ficou a 3,4 segundos de Perez.

Um furo na roda traseira esquerda acabou com o sonho de Russell vencer na sua estreia com a Mercedes. Paragem nas boxes para troca de pneus e fim de história.

Sergio Perez manteve o ritmo e afastou-se da eventual ameaça de Estaban Ocon e conseguiu, vindo do último lugar, a sua primeira vitória na Fórmula 1. Segundo lugar para Esteban Ocon e terceiro para Lance Stroll.

Seguiram-se Carlos Sainz, Daniel Ricciardo, Alex Albon e Daniil Kvyat. Os Mercedes acabaram em oitavo e nono, com Russell a marcar os primeiros pontos na F1, depoos de uma mini recuperação de 14º, posição onde caiu após a troca de pneus. Lando Norris fechou o Top 10. Jack Aitken e Pietro Fittipaldi fecharam a sua estreia na F1 com um 16º e um 17º lugares, respetivamente.