Desporto

Citroen ganhou o Mundial de Ralis 2 (WRC2) com o C3 R5 que passa a C3 Rally2

As novas denominações da FIA para o mundial de ralis, mudou o nome ao C2 que passou a chamar-se C3 Rally2.

A casa francesa aproveitou a mudança de nome da WRC2 e dos R5 para Rallye2 para mudar a identidade visual dos carros da Citroen Racing. Que, recordamos, venceu o WRC2 de 2020 com Mads Ostberg.

Mantendo o vermelho e branco característico da divisão desportiva da Citroen, o número 2 assume destaque e uma série de curvas, contracurvas e projeções. 

O design da decoração reflete ser este um carro para clientes.

O C3 R5, agora C3 Rallye2, tem vindo a ser desenvolvido com novidades a cada “joker” usado para melhorar a competitividade do carro. 

A Citroen trabalhou nessa área, mas também na fiabilidade. E durante 2020, a equipa PH Sport, a formação que colocou na estrada o C3 R5 de Ostberg, esteve a trabalhar nas definições da suspensão para asfalto.
O carro vai receber no primeiro trimestre de 2021 algumas das novidades desenvolvidas em mais de 15 mil quilómetros de testes ao longo da vida do modelo, estando a Citroen Racing focada em três áreas: performance, custos de exploração e condução.

Em janeiro será homologado um novo software para o motor. Depois, uma nova aerodinâmica dianteira, uma nova rampa para o diferencial dianteiro, pedal de travão ajustável, apoios do motor novos, braçadeiras nas maxilas traseiras dos travões e um novo coletor de escape.

Estas evoluções estarão já nos carros encomendados a partir de dezembro de 2020. Os carros vendidos anteriormente não contam com estas evoluções cujas equipas terão de adquirir à Citroen Racing.

Oara Jean-François Grandclaudon, diretor técnico do Project C3 Rally2, “desde a sua introdução em 2017, temos trabalhado constantemente e acumulado milhares de quilómetros na estrada, que nos permitem oferecer aos nossos clientes um carro cada vez mais rápido, adequado a todos os tipos de pilotos e com custos de exploração controlados. Na temporada que agora terminou foi feito ainda mais trabalho com os nossos dois pilotos de testes, o Mads Ostberg na terra e o Yoann Bonato em asfalto. Ao longo dos últimos dois anos, o carro evoluiu muito, fruto, em especial, de uma série de componentes que não necessitaram de homologação, tendo os nossos esforços sido recompensados com diversos títulos nacionais e mundiais conquistados este ano, em importantes campeonatos. Não há necessidade de fazer uma revolução no C3 Rally2 de 2021. Vamos continuar a evoluir a excelente base que temos, robusta e rápida, tentando melhorá-la onde pudermos. Embora o desenvolvimento seja um processo interminável, estamos entusiasmados com a perspetiva de observar a performance dos nossos clientes com este carro, com estes upgrades.”