Home

Divisão de restauro da Lamborghini preserva os erros do passado pois a imperfeição é… perfeição!

Chama-se “Polo Storico” e está encarregue de restaurar o passado da casa de Sant’Agata Bolognese… mas sem reparar os erros do passado.

Pode parecer estranho, mas a divisão de restauro da Lamborghini não está interessada na perfeição.

Já foram restaurados pelo “Polo Storico” 98 modelos da casa italiana. Com cada um a demorar cerca de 18 meses com um custo médio de 450 mil euros.

Perante tanto tempo e tanto dinheiro, seria suposto que os carros ficassem perfeitos. Porém, isso não é o objetivo como explicou Paolo Gabrielli, o patrão do “Polo Storico”.

“O carro tem de ficar ligeiramente imperfeito, tal como era originalmente” diz Gabrielli, pelo que a sua missão “para com o cliente é trazer o carro ao estado em que ele estava quando saiu da linha de montagem. Se existem pequenos defeitos que estavam presentes nessa ocasião, por mim ficam lá.”

Segundo este responsável, “para fazer um carro 100% perfeito, é fácil. Mas se quiser um carro perfeito, com pintura perfeita, está a criar uma falsidade. A riqueza está nos pequenos detalhes que não são… perfeitos. Na época a precisão não era absoluta e há detalhes que fazem parte do carácter do carro. As coisas eram muito diferentes.”

Portanto, é debaixo deste espírito, de replicar aquilo que existia á saída da fábrica ao invés de aperfeiçoar o que está imperfeito, que o “Polo Storico” funciona.

Este compromisso com a originalidade vai ao ponto de imprimirem os manuais originais, não corrigindo os erros de gramática ou de escrita que todos possuem. Era assim há 70, 60 ou 50 anos, é assim que fica para preservar a originalidade.

Temos de lembrar que os modelos da Lamborghini do passado eram quase totalmente feitos á mão e por isso não há dois carros iguais.

As carroçarias eram feitas à mão e martelados em cima de um molde em madeira. Logo o que não faltam é imperfeições.

Outro problema é encontrar peças originais, pois a esmagadora maioria dos fornecedores já desapareceram. Para isso, a Lamborghini pega em carros originais se problemas e fazem engenharia reversa para criar as peças em falta.

E vão ao pormenor de olhar para os registos originais para detetar as imperfeições detetadas e ficaram no carro á saída da fábrica.

Para Paolo Gabrielli, “é fácil fazer um carro perfeito. A mão humana não lhe toca e tudo fica perfeito. Recriar superfícies feitas à mão é muito mais difícil. E é aí que fazemos a diferença!”