Home

Preço das baterias para carros 100% elétricos caíram 89% na última década para 113€/kWh

Um estudo diz que os preços dos pacotes de baterias de iões de lítio utilizados nos veículos 100% elétricos recuaram 89% na última década.

E acredita-se, segundo esse mesmo estudo, que numa mão cheia de anos, os preços vão chegar ao ponto em que os construtores vão poder fazer carros elétricos ao preço dos modelos com motores de combustão interna.

Contas feitas, o kWh custava, há 10 anos, 1.110 dólares (908 euros). Ou seja, uma bateria de 35 kWh custava cerca de 32 mil euros. Uma de 90 kWh ficava por quase 82 mil euros! Ora, este estudo diz-nos que o valor caiu para 137 dólares (113 euros) por kWh, com alguns mercados como a China a recuarem até aos 100 dólares (88 euros).

Ou seja, uma bateria custa, agora, 3955 euros para 35 kWh e 10.170 euros para 90 kWh.

O estudo feito pela Bloomberg New Energy Finance, refere que o custo de utilização de um veículo elétrico já é inferior ao de um modelo com motor de combustão interno.

Outra indicação do estudo refere que é importante que hajam cada vez mais modelos elétricos para compra. 

Diz o mesmo estudo que a mudança para a mobilidade elétrica é essencial para salvar o planeta. Dramático e pouco verdadeiro.

Haresh Kamath, membro da associação sem fins lucrativos Electric Power Research Institute, referiu que “mesmo que 100% dos veículos vendidos fossem elétricos, levaria pelo menos 10 anos a trocar todos os carros existentes com motor térmico. Diria mesmo que apenas 50% dos modelos que andam na estrada.”

Já Logan Goldie-Scot, responsável da Bloomberg New Energy Finance, referiu que “se olharmos para a importante redução de custos da última década e aquilo que se espera que vá suceder no futuro, juntamente com a escalada das políticas de controlo das emissões na Europa e, espera-se, nos EUA e na China, será uma poderosa combinação para destacar os modelos 100% elétricos. Daqui a 4 anos, os maios construtores poderão fazer carros elétricos em massa ao mesmo preço dos modelos com motorização térmica.” Mais um estudo que, como todos, vale o que vale…