Desporto

Dakar 2021: conheça o percurso da edição deste ano do Dakar

O Dakar 2021 será realizado debaixo de exigentes condições de segurança devido à pandemia de Covid-19. Mas será a primeira prova de desporto automóvel em 2021.

O percurso, integralmente realizado em território saudita terá 12 etapas começando em Jeddah e terminando na mesma cidade.

O prólogo disputou-se hoje entre Jeddah e Jeddah, com uma ligação de 118 km e um troço de apenas 11 km. Nada de muito complicado.

A primeira etapa realizar-se-á entre Jeddah e Bisha. Com 345 km de ligação e 277 km de troço, disputa-se integralmente em pistas e tem como dificuldade os vales infindáveis que vão colocar alguns problemas à navegação devido às muitas interceções. Para dificultar mais a tarefa, há zonas muito pedregosas à espera dos pneus para provocar os sempre incómodos furos.

A segunda etapa une Bisha a Wadi Ad-Dawasir, com um percuro de 457 km contra o cronómetro e uma ligação de 228 km. Chegam as primeiras dunas. Durante 30 km serão a companhia dos pilotos. O amarelo dominará a paisagem, mas vão surgir as dunas… brancas. Uma longa zona de fora de pista vem complicar a vida dos pilotos até chegarem à zona final com pistas arenosas.

A ligação entre Wadi-Ad-Dawasir e Wadi Ad-Dewasir é um “loop” com 403 km de prova especial de classificação com uma ligação de 227 km. Entrada no puro deserto, com os concorrentes a encontrar muitas dunas, umas enormes e bem separadas umas das outras, outras a criarem pequenas cadeias de dunas sempre complicadas. Um percurso que cruza parte rápidas com zonas mais técnicas, oferecendo o palco ideal para os mais rápidos destacarem-se dos demais.

Com 337 km de percurso e 476 km de ligação, a quarta etapa entre Wadi Ad-Dawasir e Riyadh, oferece aos concorrentes a oportunidade de se divertirem ao volante. Mesmo assim, há que ter algum cuidado, pois há algumas armadilhas pelo caminho. Nada de muito violento, mas todos devem ter em mente que um erro nestas etapas longas e, aparentemente, fáceis, podem cobrar um preço elevado para o resto da prova.

A 5ª etapa, entre Riyadh e Al Qaisumah, tem 456 km de troço e 205 km de ligação, sendo um troço que vai exigir muito de uma qualidade: a paciência! Esta que é uma característica fundamental para os pilotos e navegadores de todo o terreno, vai ser colocada à prova neste troço. É longo e muito duro além de lento. Isto porque há zonas muito duras de dunas, pistas com muita pedra que vão fazer sofrer os pneus e a possibilidade de furo é quase total. Um troço que pode promover alterações na classificação.

Para a 6ª etapa, ligando As Qaisumah a Há’il, estão reservados 448 km de troço e 170 km de ligação. Uma etapa sempre em areia, com dunas para todos os gostos. Verdadeiro teste aos pilotos para ultrapassarem tantos e tão diversos obstáculos. Os homens das motos vão sofrer com os braços a parecerem gelatina no final do troço. E não será de estranhar a chegada de alguns com a noite já bem avançada. O que vale é que no dia seguinte… é dia de descanso!

O dia de descanso será em Há’il. Para uns, será altura de recuperar forças, mecânicas e traçar estratégias. Para alguns, hora de arregaçar as mangas e tratar da mecânica. Outros vão chegar bem tarde e o dia de descanso será muito curto para tudo o que têm de fazer. É o Dakar!

Após o retemperador – para alguns – dia de descanso, a competição regressa com a 7ª etapa entre Há’il e Sakaka serve 267 km de ligação e 471 km de troço cronometrado. É a etapa maratona e se pensam que haverá facilidade… tirem o cavalinho da chuva! A abrir, são 100 km de dunas que forçam um sobe e desce constante durante umas horas valentes. Os pilotos terão e lidar com as dunas de forma gentil para não deixarem ficar lá parte dos carros. Têm de evitar os sobreaquecimentos do trabalho de polé a que os motores são submetidos. E para que a coisa fique ainda mais complicada, a etapa oferece, ainda, zonas com muita pedra que mesclam áreas de condução pura e outras de velocidade. Mas os pneus… aí os pneus… vão sofrer. No final, quem chegar são e salvo, terá de vestir o fato de macaco pois não há assistência pesada.

A segunda parte da etapa maratona liga Sakaka a Neom, com uma ligação de 334 km e uma especial de 375 km. Os que tiverem sido cautelosos na primeira parte desta dupla etapa maratona, vão ser premiados. Primeiro porque vão ter as suas máquinas em forma para fazerem a fundo as zonas arenosas, embora com alguma atenção às pedras. A zona por onde passa esta etapa é belíssima e não criar problemas de maior à navegação ou às máquinas. Mas é preciso que estas estejam preservadas!

A 9ª etapa é mais um “loop” entre Neom e Neom, com 109 km de ligação e 465 km de especial. Os concorrentes vão até ao Mar Vermelho e vão fazer uma largada em conjunto na praia. Não será sempre tão suave como nos primeiros quilómetros, mas o percurso começa a ficar cada vez mais rápido, sendo a areia que vai sendo cada vez mais a base das pistas a travar o andamento. Pode, assim, parecer fácil, mas a organização diz que será das mais duras das duas semanas de competição do Dakar 2021.

Para a 10ª etapa, o Dakar reserva a ligação Neom – Sl-‘Ula, com uma extensão de 342 km. A ligação é de 241 km. A parte inicial da prova tem um pano de fundo fabuloso, seguindo-se zonas de montanha com pistas arenosas e muitas dificuldades de navegação para encontrar o caminho no meio dos vales. Uma etapa para os especialistas de navegação!

Já a caminho do final da prova, temos a etapa 11 que liga Al-‘Ula a Yanbu. A ligação tem apenas 46 km, já o troço é longo com 511 km. É a especial mais longa da prova e será decisiva na escolha dos vencedores. Regressam as dunas, duras e complicadas, que vão separar os mais capazes dos restantes. Os concorrentes que ainda estiverem em prova vão chegar a um verdadeiro mar de areia com um comprimento de quase 100 km, onde as diferenças podem ser… enormes!

Para fecho de festa, o Dakar 2021 reserva uma etapa com 225 km e 227 km de ligação, entre Yanbu e Jeddah. Ao contrário do habitual, a derradeira prova especial de classificação não será uma… pêra doce! Todos os resistentes e os que estiverem na luta pela vitória vão enfrentar cadeias de dunas onde é fácil ficar atascado. E isso pode ser a diferença entre um final de prova em beleza e um final amargo. Mas quem passar por tudo isto e tenha participado no Dakar original, recordar-se-á do final no Lago Rosa da capital do Senegal. Na Arábia Saudita, será um final nas margens do Mar Vermelho.