Home

BMW Portugal viu 30% das vendas serem de carros eletrificados com o 330e a ser o PHEV mais vendido

A casa alemã conheceu uma performance interessante num ano de muitas dificuldades, destacado a componente eletrificada da sua gama que contabilizou 30% de quota nas vendas de 2020.

O mercado nacional recuou 34% e a BMW conheceu uma evolução negativa das suas vendas de 25%. Ou seja, comportou-se melhor que o mercado. Contas feitas, vendeu 10.519 unidades em 2020.

O destaque, porém, para a BMW está nos 30% de quota dos carros eletrificados no volume de vendas de 2020. A BMW comercializou 3.099 unidades, mais 23% que em 2019.

No que toca ao ranking de modelos, o Série 1 foi o mais vendido, tendo um peso nas vendas de 31%, seguido do Série 3 que reclama 20% das vendas.

A BMW vendeu 984 unidades da carrinha do Série 3 (+37% que em 2019), 567 carros do X3 (+16%) e 310 veículos das gamas X5/X6 (+77%). 

Claro que o BMW 330e, o híbrido do Série 3 foi uma das vedetas, pois foi o híbrido Plug In do mercado nacional mais vendido em 2020 com 1.169 unidades.

Olhando para a Mini, 1.794 unidades foram vendidas durante 2020, ou seja, menos 30% que em 2019. A casa britânica aponta como fator chave deste resultado, para lá da crise pandémica, o facto de não haver motor a gasóleo para os Mini de 3 e 5 portas e para o Cabrio.

A Mini ofereceu, durante 2020, um modelo 100% elétrico, com base no Mini de 3 portas que encontrou 235 clientes. Ou seja, representou 13% das vendas da marca em Portugal. 

O modelo mais vendido entre nós foi o Mini Countryman com 601 unidades comercializadas, sendo que mais de metade delas foram da versão híbrida (368), ajudando a que a quota de modelos eletrificados nas vendas da Mini seja de 30%.

As 37 unidades disponibilizadas para o mercado nacional do Mini John Cooper Works GP foram todas vendidas, enquanto da gama John Cooper Works foram comercializadas 146 unidades.

A divisão Motorrad da BMW vendeu 2.102 unidades, um crescimento de 19&% face a 2019. Com esta cifra, a divisão de motos da BMW conseguiu o seu melhor resultado de sempre entre nós. Convirá recordar que o mercado nacional acima dos 125 c.c. conheceu evolução negativa de 6,4%.

Os modelos mais vendidos são as R1250 GS e R1250 GS Adventure, com 774 unidades vendidas em 2020. A Gama F comercializou 543 motos, um crescimento de 53%. A F900R e a F900 XR foram as mais vendidas dentro da gama.

No campo das scooters (Gama C) registou um crescimento de 37% com 267 unidades vendidas. A BMW lembra que é líder de mercado no segmento acima dos 750 c.c., sendo a terceira mais vendida acima dos 125 c.c.. A sua quota de mercado subiu de 12 para 16%.

Outra área de negócios importante é o após-venda, onde a BMW assegurou um volume de negócios de 71 milhões de euros. A marca alemã perdeu 11% no que toca ao volume de venda de peças, acessórios e “lifestyle”. No que toca á Mini, o volume de negócios foi de 5 milhões de euros, menos 11% que em 2019. Finalmente, a BMW Motorrad conheceu um volume de negócios de 5,6 milhões de euros, menos 6%.

O grupo BMW investiu fortemente em soluções digitais e remotas de serviço e apoio aos clientes.  

Finalmente, o setor financeiro apresentou uma evolução negativa de 8,6% face a 2019. A BMW Financial Services tem uma carteira de financiamento de 645 milhões de euros. Foram ativados 7.422 novos contratos de financiamento, menos 23% que em 2019. Destes, 60% foram para a divisão automóvel (BMW e Mini), 16% para a divisão Motorrad e 24% para a compra de usados. O capital financiado foi de 178 milhões de euros.

No segmento das motos, acompanhando a performance positiva da divisão Motorrad, foram feitos 1.165 contratos novos, mais 46% face a 2019.

Quanto aos seguros, 4.198 contratos foram ativados em 2020, ou seja, menos 6,7% que em 2019.