Home

Alpine vai ser o topo da inovação no Grupo Renault e aglutinará a competição

A Alpine Cars, a Renault Sport Cars e a Renault Sport Racing vão ser albergadas debaixo do chapéu chamado Alpine.

O seu CEO, Laurent Rossi, um ex-Google, revelou os novos planos para a Alpine, divulgados no âmbito do plano estratégico da Renault, o Renaulution.

A “nova” Alpine combinará a tecnologia e a paixão pela competição para desenvolver automóveis desportivos de elevadas performances.

A Alpine terá uma gama 100% elétrica que integra tecnologia de ponta vinda da Fórmula 1. Foi assinado um protocolo com a Lotus para o desenvolvimento de uma nova geração de automóveis desportivos 100% elétricos.

Laurent Rossi tem como missão mais espinhosa, atingir a rentabilidade até 2025, já incluindo nessa rentabilidade o investimento na competição. Investimento esse que, para já, está condensado na Fórmula 1.

Desta forma, as atuais atividades da Alpine Cars, Renault Sport Cars e Renault Sport Racing serão reunidas numa única entidade, sob a marca Alpine. 

A Alpine é a incarnação do automóvel francês; uma marca reconhecida, com uma forte herança da competição e com especialistas qualificados que produzem o modelo A110, na fábrica de Dieppe. 

Quanto à Renault Sport Cars é formada por uma equipa de 300 pessoas. Especialistas que deram ao Grupo Renault modelos icónicos como o Renault 5 Turbo, Clio V6, Mégane R.S. Trophy e o novo Alpine A110. 

Já a Renault Sport Racing e a equipa de F1 juntas, reúnem 1200 pessoas, que desenvolvem, ao nível do desporto automóvel, algumas peças de verdadeira joalharia automóvel. 

Estão ali concentrados alguns dos maiores especialistas em aerodinâmica, mecânica e engenharia de motores. A Fórmula 1 oferece uma imensa plataforma de marketing e representa uma oportunidade única para fortalecer, globalmente, a imagem da marca Alpine à escala mundial. 

A Alpine beneficiará dos recursos do Grupo Renault e da Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, que incluem tecnologias como a plataforma EV da Aliança, a presença industrial global do grupo, o acesso a uma estrutura de compras profissional que permitirá garantir a otimização dos custos, sem esquecer também o acesso privilegiado à rede de distribuição global e os serviços financeiros da RCI.

O plano de produto da Alpine vai assentar num modelo Compacto Desportivo (segmento B), 100% elétrico, baseado na plataforma CMF-B EV da Aliança, num crossover desportivo (segmento C), 100% elétrico, baseado na plataforma CMF-EV da Aliança e, finalmente, um desportivo 100% elétrico, substituto do A110, desenvolvido em conjunto com a Lotus. 

Como parte do desenvolvimento da Unidade de Negócio da Alpine, o Grupo Renault e o Grupo Lotus assinaram um protocolo de acordo que visa diversos domínios de cooperação, onde se inclui o desenvolvimento conjunto de um modelo desportivo 100% elétrico. As equipas da Alpine e da Lotus comprometem-se a conduzir um abrangente estudo de viabilidade para as áreas de engenharia e conceção, para o desenvolvimento conjunto de um automóvel desportivo 100% elétrico, aproveitando os recursos, o “know how” e as instalações das respetivas marcas, em França e no Reino Unido. 

A Alpine estará na vanguarda da inovação, seja em tecnologia, distribuição, experiência-cliente ou qualquer outra área de criação de valor para a marca e para os clientes. A próxima geração de produtos Alpine será baseada nas mais recentes inovações do Grupo Renault, e beneficiará da tecnologia e da experiência na F1: eficiente gestão da energia, sistemas de segurança e soluções de conectividade procedentes do elevado desempenho da F1 em matéria de análise e processamento de dados, que se traduzirão numa vantagem competitiva para os produtos Alpine.  

Laurent Rossi

“A nova entidade Alpine combina três marcas com ativos e áreas de excelência distintas, em prol de uma empresa única e autónoma. O ‘know-how’ da nossa fábrica de Dieppe, e a excelência da engenharia das nossas equipas de F1 e da Renault Sport, brilharão com a nossa gama 100% elétrica e tecnológica, ancorando assim o nome ‘Alpine’ no futuro. Estaremos nas pistas e nas estradas, de forma autêntica, com a mais elevada tecnologia e seremos disruptivos e apaixonados”. Palavras de Laurent Rossi, responsável máximo da Alpine.

Foi confirmada, também, a presença da Renault na Fórmula 1 com a Alpine. Aliás, a Alpine e a Renault têm uma longa história na competição, em diferentes categorias, seja na Fórmula 1, nos Ralis ou na Resistência. 

A competição permanecerá no centro dos planos da Alpine, com a Fórmula 1 a desempenhar um papel central na estratégia desportiva da marca. 

A partir de 2021, a equipa Alpine F1 estará no Mundial de F1. 

“Dar uma identidade forte e específica à Fórmula 1, mas também ao programa de competição da Alpine, é uma evidência e uma oportunidade. Ao colocar o desporto automóvel no centro da nossa abordagem, a identidade gráfica é fundamental. A decoração apresentada, hoje, é a primeira evocação à nova identidade do Alpine F1 Team. Alguns elementos gráficos estruturais permanecerão com o ‘uniforme’ das corridas, outros evoluirão. O emblema Alpine de dimensões generosas e o grafismo tricolor é o primeiro símbolo de forte identidade da marca em competição. O azul, o branco e o vermelho representam as cores da bandeira francesa e inglesa, numa simbologia muito importante para nós” são palavras de Antony Villain, diretor de design da Alpine,