Desporto

Dakar 2021: Peterhansel reconhece que não é tão rápido com Al-Attiyah

Na ressaca de doze etapas disputadas no deserto saudita, emerge o destaque da 14ª vitória de Stephane Peterhansel.

O francês concedeu uma curta entrevista à revista francesa Auto Hebdo e deixou claro que não foi fácil a vitória. “Há sempre pressão e como sempre digo, cada corrida é complicada de ganhar” sublinhou o recordista de vitórias no Dakar. Recorde esse reforçado com a 14ª vitória, seis nas motos, oito nos automóveis.

Para Peterhansel, “é preciso estar sempre a fundo, completo com uma boa equipa, um bom carro e um navegador de topo. Mesmo assim, apesar de tudo isso, o ser humano erra e esse erro pode chegar mais depressa do que supomos.” Por isso, para o francês, “ganhar pela 14º vez, passados 30 anos da primeira vitória, foi importante!”

Stephane Peterhansel cumpriu a sua 32ª participação e, por isso, destaca a experiência adquirida. “Claro que a experiência faz a diferença, mas não é apenas isso. Vejam o caso do Edouard Boulanger: fez a sua estreia comigo e como navegador é de uma clarividência fantástica, lê o ‘roadbook’ como poucos e isso ajudou muito.”

Mas a estratégia de uma “velha raposa” do deserto é importante.

“Claro! Quando vejo que o Nasser (Al-Attiyah) é um pouco mais rápido que eu, tento não ficar incomodado ara evitar dar tudo e partir o carro ou cometer um erro. Temos de saber gerir, atacar no momento certo e evitar erros de navegação graves” sustentou Peterhansel, acrescentando que “se o carro for rápido e sólido” tudo fica melhor.

Como todos os pilotos, o francês da X-Raid sonha, sempre “com a vitória, mas do sonho à concretização é uma história muito diferente. Não direi que é inesperada, pois o Edouard tem tudo para ser um dos melhores navegadores do mundo, mas é preciso que tudo encaixe e a sorte dê uma ajudinha.”