Home

Carlos Tavares promete oportunidades a todas as marcas da Stellantis

O executivo português, CEO da Stellantis, referiu em conferencia de imprensa que todas as marcas do grupo terão uma oportunidade.

Carlos Tavares está, agora, ao leme de um gigante mundial e diz o povo que “quanto maior a nau, maior a tormenta”. Para já, confiança não falta ao português de 62 anos.

Numa altura em que as ações da Stellantis subiram mais de 10% na praça bolsista de Nova Iorque, depois de uma subida semelhante nas praças europeias, Carlos Tavares está “muito confiante” em conseguir levara a cabo o plano de corte de custos de 5 mil milhões de euros em sinergias internas.

E 80% desse valor deverá ser alcançado no espaço de quatro anos. Isto sem que haja corte na força de trabalho com a fusão da PSA com a FCA. 

“O objetivo não é ser grande, mas sermos grandes naquilo que fazemos” disse Tavaes na conferência de imprensa de ontem, a primeira como CEO da Stellantis.

Para o português, a capacidade da Stellantis em cortar custos para investir em novos veículos será o escudo para evitar o corte de postos de trabalho.

Recordamos que a Stellantis inclui marcas tão distintas como a Fiat, Maserati, Jeep, Dodge, RAM, Peugeot, Citroen, DS e Opel. E neste particular, Carlos Tavares deixou claro que todas as marcas terão a oportunidade de recuperar e terão à sua disposição recursos para investir em novos produtos. Mas sempre com o mantra de Tavares: crescimento sustentado e, sempre, com lucro.

“Todas as marcas e todas as fábricas terão uma chance. Obviamente que isso não quer dizer que não vamos promover mudanças, pois todos temos de nos tornar mais inteligentes e mais eficientes” disse Tavares.

Lembrou que a Stellantis vai lançar 10 modelos novos eletrificados ainda este ano e reforçou que não haverá cortes de pessoal no esforço para cortar custos. Nem mesmo em “layoff”. “Não está nos nossos planos.”

Para Carlos Tavares, “dramático teria sido não avançar com a fusão. Não o ter feito teria, sem dúvida, colocado os dois grupos numa situação complicada face aos custos extra para cumprir com as novas regulamentações.” 

Em declarações ao jornal diário italiano “La Reppublica”, um dos objetivos da Stellantis é tirar partido da capacidade de produção instalada. “Vai levar tempo, mas vamos conseguir tal como vamos conseguir ter várias opções em aberto.”

Quanto ao Brexit, Tavares foi mais lacónico deixando a ideia que tudo pode acontecer. “Estamos a rever todos os cenários possíveis.”

Outra das novidades foi a criação de uma “Task force” dedicada à análise do que correu mal para que a FCA e a PSA não tenham tido sucesso no mercado chinês. É constituída por cinco executivos de topo que junta àquela missão a busca de soluções para um regresso bem-sucedido ao maior mercado mundial. E como disse o CEO da Stellantis, “não excluímos nenhuma opção” pelo que a busca de um novo parceiro está em cima da mesa.