Elétricos

Tesla é financiada pelos rivais do mercado, não pelas vendas de carros!

Finalmente, desde a sua estreia no mercado, a Tesla registou um resultado positivo, ou seja, deu lucro. Isto apesar da sua valorização bolsista que a torna no mais valioso construtor mundial. Mas, sabem qual é a razão para isso?

A primeira vez que a Tesla deu lucro foi num ano em que a malha do bloco europeu apertou de forma significativa, com a imposição de multas a quem não cumprisse o seu limite de emissões de CO2. Não vos diz nada?

A Tesla não chegou onde chegou, ou seja, ao seu primeiro ano com resultado positivo, não porque vendeu mais carros (até falou o objetivo de vender 500 mil unidades), não porque introduziu versões mais baratas, não foi porque fez descontos ou porque introduziu um programa de corte de custos.

O lucro da Tesla deveu-se, apenas, à venda de créditos sobre gases de efeito estufa a marcas rivais!

Nos EUA, há 11 estados que exigem o cumprimento de regras apertadas para encorajar os construtores a vender mais carros 100% elétricos. Caso não consigam, têm de comprar créditos a outros construtores. Na Europa são multas.

Ora, a Tesla só vende modelos 100% elétricos, logo a carteira de créditos ambientais está sempre cheia. O que é que ela faz com eles? Vende aos rivais com inéditos e saborosos 100% de lucro!

Faz o mesmo na Europa, ou juntando a sua gama com a de outros construtores para baixar a média ou vendendo esses créditos.

Em 2020, a compra de créditos foi forte, pois a chegada de Joe Biden à presidência é sinal de que as coisas vão ser mais apertadas e controladas em termos de emissões.

Com tudo isto, a Tesla ganhou 3,3 mil milhões de dólares em créditos nos últimos 3 anos, mas em 2020 esse valor foi de 1,6 mil milhões, particamente metade do que ganhou em 2018, 2019 e 2020.

Como o AUTOBLOGUE já fez menção, Zachary Kirkhorn, o diretor financeiro da Tesla, admitiu que o lucro de 2020 vem dessa fonte, mas que o negócio da casa norte americana seja sustentado nessa estratégia.

É que, feitas as contas, sem essa venda de créditos de gases de efeitos estufa, a Tesla voltaria a dar prejuízo líquido. E mesmo que a Tesla diga que a sua sustentabilidade e o lucro não dependem deste esquema, a verdade é que os 5,4 mil milhões de euros gerados pelo negócio automóvel não chegariam para exibir um lucro operacional.

Porém, a Tesla vê luz ao fundo do túnel com as vendas na China a crescerem e a procura global por veículos 100% elétricos continuar a crescer a bom ritmo.