Ensaios

Ensaio Kia XCeed 1.6 GDI PHEV: tanta beleza merecia outra alma

O XCeed é um crossover sedutor pelo estilo, pela qualidade do produto, entre outras características, mas nesta versão híbrida, o sistema tem pouco fôlego o que acaba por prejudicar. O que é uma pena…

Rating: 3 out of 5.
  • A Favor – Autonomia elétrica, Consumos, Estilo
  • Contra – Performances, Bagageira

Certamente que todos já conhecem o XCeed, já está no mercado há algum tempo e neste ensaio vou-me debruçar sobre esta versão híbrida. Que, como todos os híbridos Plug In tem como objetivo primário e final, poupar combustível e reduzir as emissões de CO2. E evitar as pesadas multas para quem não cumpre as regras da União Europeia.

Se olhar para a ficha técnica colocada no final deste ensaio, verá que os objetivos são alcançados de forma clara e meritória.

O XCeed oferece, ainda, uma particularidade, só possível na pouco convencional gama Ceed. Vamos sentados num carro que é chamado de crossover desportivo graças ao tejadilho arredondado e rebaixado dá sentido à palavra “desportivo” e a altura ao solo maior que em muitos SUV que confere forma à palavra “crossover”. E, remata tudo isto com uma posição de condução mais baixa que num SUV, mas com uma linha de horizonte típica de um Sportage. 

Ou seja, a Kia tenta, mesmo, oferecer-nos o melhor de dois mundos embrulhado numa carroçaria desenhada com gosto e que consegue, sem esforço, ser sedutora.

E como é o XCeed como carro?

A marca coreana palmilhou muito caminho e derreteu muito dinheiro para formar a sua nova imagem. Os seus responsáveis engoliram o orgulho e chamaram europeus competentes para desenhar e conceber os seus veículos.

Por isso, não espata que o XCeed seja um carro bem construído, com qualidade nos materiais e atenção ao detalhe. E para provar a confiança que tem no seu trabalho, a Kia oferece 7 anos de garantia ou 160 mil quilómetros. E isto temos sempre de lembrar!

O XCeed é, na essência, um Ceed. A base é a mesma e as dimensões são semelhantes com a distância entre eixos a ser exatamente a mesma da gama Ceed. Ou seja, 2,65 metros.

O motor está colocado da mesma forma e é, também, um bloco de 1.6 litros com 104 CV e 147 Nm. E antes que vá falar do sistema híbrido, é a partir daqui que a palavra “desportivo” colocada lado a lado com o “crossover” deixa de fazer qualquer sentido.

Mesmo com a ajuda de um motor elétrico com 80 CV montado na transmissão, a potência combinada é de 141 CV. Tudo isto passa às rodas da frente através de uma caixa de dupla embraiagem de seis velocidades. Se leu o comparativo do Kia Ceed SW PHEV com o Renault Megane Sportourer E-Tech, deve reconhecer esta mecânica. É a mesma!

O sistema é alimentado por uma bateria de 8,9 kWh que está alojada ao lado do depósito de combustível.

Para usar o sistema híbrido, temos à disposição três modos de condução: “EV” que força a utilização da parte elétrica do sistema, desligando o motor térmico enquanto houver “sumo” na bateria (ou seja, durante, diz a Kia, 48 km); “Automatic” que coordena de forma totalmente independente a utilização separada ou comum dos dois sistemas consoante as necessidades e, finalmente, o “Hybrid” que é o modo que assume o controlo do sistema quando a bateria fica exaurida. Neste modo, o sistema procura formas de recolher energia, armazená-la e utilizá-la durante o percurso. Se força a utilização deste modo, poupa no gasto de energia e o carro funciona como um híbrido normal. Um excelente híbrido, por sinal!

Há, também, um modo Sport, separado deste conjunto de modos de condução, que torna o acelerador mais responsivo e mantém o motor térmico sempre em funcionamento ajudando a carregar a bateria.

Aqui estão alguns números!

Antes de lhe explicar mais algumas coisas sobre o XCeed PJEV, aqui ficam algumas cifras importantes. Como referi acima, a autonomia em modo 100% elétrico é de 48 km, não há possibilidade de carregamento rápido, o máximo é 3,3 kW. O que quer dizer, duas horas para carregar a bateria de 8,9 kWh. Há mais alguns números, mas deixo as más notícias para mais tarde…

E como é o XCeed em estrada?

Com este pacote dinâmico e arrastando mais 200 kgs que um XCeed “normal”, as performances são dececionantes. Gostava de encontrar outra palavra, mas não consigo.

A velocidade máxima é de 160 km/h – o que até nem é uma má notícia, enfim, olhando aos limites de velocidade – mas o que mais choca especialmente pensando nos outros XCeed, é a aceleração. A forma como o carro ganha velocidade. O 0-100 km/h é feito em 11 segundos! Sim, leu bem, 11 segundos!

E verdade que no modo 100% elétrico o XCeed PHEV é suave e avança decidido, desde que não tenhamos demasiada pressa. Mas assim que o tráfego estuga o passo, temos de carregar com mais decisão no acelerador e lá tem o motor térmico que vir em auxílio. 

O problema e que o acelerador parece feito de pau e a sensibilidade e ação é verdadeiramente estranha. Se ligar o modo Sport, as coisas melhoram um pouco, mas o sistema híbrido não tem pulmão para grandes feitos. E em autoestrada, os 1600 kgs não dão chances… sem o bloco a gasolina, o avanço é complicado. E rapidamente esquecemos a poupança em favor de mais alguma potência…

Curiosamente, o chassis e as suspensões mostram que o carro tem capacidade para muito mais, tendo um conforto e uma condução interessantes e um comportamento muito decente. As suspensões funcionam bem, controlam os movimentos da carroçaria, permitem algum entusiasmo na hora de curvar. Os travões são excelentes, mesmo que tendo a necessidade de ajudar a regenerar energia – a regeneração não é muito forte, diga-se – tornado a travagem menos precisa que no XCeed normal.

A direção e direta (apenas 2,6 voltas de topo a topo), precisa e bem assistida, oferecendo alguma sensibilidade. 

Mais números!

O sistema híbrido, por muito que a Kia se sinta orgulhosa dizendo aos sete ventos que a plataforma já estava pensada para a hibridização, a verdade é que a bagageira sofre um violento assalto: passa de 426 litros para… 291 litros! São 135 litros… 135 litros a menos!

Depois, a autonomia de 48 km em modo 100% elétrico é possível usando com alguma parcimónia o modo “Hybrid”, mas sem o recurso a esse modo, o melhor que consegui foram 40 km, menos do que tinha conseguido com a carrinha Ceed. Talvez por aselhice minha ou porque as condições eram diferentes.

Por outro lado, o Kia XCeed PHEV é um verdadeiro pisco nos consumos. Claro que não cheguei aos valores homologados – o melhor eu consegui com a bateria totalmente carregada e em modo híbrido num percurso de 60 km foram 2,9 l/100 km – mas no final do ensaio, a média ficou nuns excelentes 4,5 l/100 km. Para mim, uma surpresa, uma agradável surpresa.

E quando a bateria ficou sem gota de energia e o carro funcionou como um híbrido convencional, fiquei surpreendido: 6,1 l/100 km. Mesmo arrastando 200 kgs a mais e tendo ciclo Atkinson no motor de 1.6 litros sem turbo. 

O que é que eu penso sobre o XCeed PHEV?

Sinceramente, fiquei desiludido com as performances do XCeed. Se numa carrinha Ceed a falta de performance é justificada e aceitável, num carro que reclama ser um “crossover desportivo”, nem por isso. O XCeed é um ótimo carro, sedutor, com uma boa habitabilidade, muito bem equipado e com qualidade. Mas as performances são dececionantes. E como disse, se na carrinha Ceed tudo é pacifico, o XCeed precisa de mais musculo. Só para dar um exemplo: o Opel Grandland X Hybrid 4 tem 300 CV!

O XCeed não precisa de tanto, mas tem de oferecer mais em termos de performance, mantendo o desempenho em termos de eficiência, pois nesse particular, é excelente. Mesmo que a Kia faça um enorme esforço e ofereça o XCeed PHEV por 33.250 euros (o carro custa 43.000€), um nadinha abaixo do Renault Captur E-TECH o seu grande rival (que custa 33.845€). Mas o carro francês tem muito mais chispa e isso faz a diferença, desfavorável para o XCeed. O que é uma pena…

Ficha técnica

Motor: 4 cilindros em linha, injeção direta; Cilindrada (cm3): 1580; Potência máxima (CV/rpm): 104/5700; Binário máximo (Nm/rpm): 147/4000; Potência e binário do motor elétrico (CV/Nm): 80/nd; Potência combinada (CV) 141; Binário combinado (Nm): 265 Nm; Transmissão: dianteira com caixa automática de 6 velocidades; Direção: Pinhão e cremalheira assistida eletricamente; Suspensão (ft/tr):McPherson/independente multibraços; Travões (fr/tr): Discos; Aceleração 0-100 km/h (s): 11,0;Velocidade máxima (km/h): 160; Consumo (l/100 km): 1,4 – 1,7; Emissões CO2 (gr/km): 32 – 38; Dimensões e pesos Comprimento/Largura/Altura (mm): 4395/1826/1495; Distância entre eixos (mm): 2650; Largura de vias (fr/tr mm): 1575/1573; Peso (kg): 1609; Capacidade da bagageira (l): 291/1243; Deposito de combustível (l): 37; Pneus (fr/tr): 235/45 R18; Preço da versão base (Euros): 43.000, com a oferta comercial o Kia XCeed PHEV fica por 33.250€