Home

DM Modelkits: fruto da paixão e do empreendedorismo

Colecionar miniaturas foi um passatempo que muitos apaixonados pelo automóvel abraçaram na impossibilidade de estarem “lá dentro”. Outro nível era construir as miniaturas nas mais diversas escalas dos modelos que gostávamos. A DM Modelkits nasceu fruto dessa paixão.

Um dos apaixonados pelo modelismo que está por trás da DM Modelkits é Carlos Leite, alguém que desde tenra idade adorava as miniaturas. Chegou aos 14 anos e com mais habilidade começou a montar as suas primeiras miniaturas. 

Das miniaturas foi rápido o salto para algo mais ligado à paixão do modelismo.

Na entrada da segunda década do novo milénio, lançou-se na primeira incursão pela venda de material e modelos com uma loja onine. Correu muito bem, mas havia afazeres profissionais que não libertavam muito espaço para o modelismo e este primeiro andamento ficou na gaveta em 2012.

A pandemia de Covid-19 obrigou a uma reinvenção profissional dos elementos que formam a DM Modelkits, mas abriu, também, uma janela que aproveitaram para escancarar e fazer regressar a empresa e as vendas “online”. 

Porém, ao invés da carolice e da paixão, colocaram o profissionalismo e a dedicação ao serviço do modelismo automóvel. Ocupando um espaço que há alguns anos está, praticamente, vazio, a DM Modelkits é um produto da paixão, dos conhecimentos dos sócios da empresa e com uma leitura clarividente do mercado.

Como nos referiu Carlos Leite, “o mercado do modelismo militar está inundado de oferta, pelo que não faz sentido ser mais um a chegar a esse lago.”

Dinamizadas as vendas e tentando fazer renascer um “hobbie” que tem muitos adeptos em Portugal – e alguns com enormíssima qualidade! – a DM Modelkits tem o seu sítio de internet a funcionar.

Porém, como nos confidencia Carlos Leite, “a nossa experiência com o contacto direto com o ciente está a ser tão satisfatória e com tão bons resultados, que temos preferido manter esse contacto através das redes sociais e, particularmente, no Facebook e no Instagram.”

Além do sucesso comercial, é destacado “a história de partilha de ensinamentos, dicas, opiniões e com a recompensa de muitos frutos sendo que alguns clientes passam a amigos e a tradição do modelismo vai-se reforçando.”

A DM Modelkits adaptou-se aos novos tempos para trazer para as redes sociais a experiência que todos nós, os amantes do modelismo, tínhamos a compar nas lojas. Onde lá estava o proprietário, também ele um apaixonado pelo modelismo, para nos aconselhar, ajudar e indicar as melhores soluções.

Os mais antigos lembrar-se-ão do Bazar Crisano, do Adriano Fontes, na Rua da Constituição no Porto. Do Toni da Quitécnica, por trás do Teatro Maria Matos, em Lisboa. Lojas que já desapareceram, mas que tinham ao leme apaixonados e conhecedores que muitos nos ajudaram.

São muitas as marcas que a DM Modelkits disponibiliza, com modelos, ferramentas, acessórios, enfim, tudo aquilo que é necessário para qualquer modelista. Os preços dos kits oscilam entre os 33 e 55 euros, valores que dependem de cada marca e da importância do modelo replicado.

Mas a DM Modelkits é alimentada pelo sonho e pela vontade de ir mais longe. Queriam oferecer essa experiência de compra educada pelo conhecimento e é o que fazem nesta altura com as redes sociais.

Mas… há sempre mais para alcançar e a ideia foi borbulhando como água a ferver: ter uma linha de modelos DM Modelkits, em plástico, à escala 1/24! E sem tibiezas, “atiraram-se” aos modelos icónicos dos ralis. 

E a verdade é que a DM Modelkits conseguiu passar do sonho á realidade e embarcaram na aventura de produzir os seus próprios “kits”. E qual foi o modelo escolhido?

O Ford Sierra Cosworth 4×4 que participou no Rali de Monte Carlo de 1991. Mas com a base para fazer o carro que participou no Rali de Portugal de 1992, carros que foram pilotados por François Delecour, Malcolm Wilson, Alex Fiorio e Miki Biasion.

Como nos disse Carlos Leite, “este é um projeto em andamento e esperamos fazer o lançamento deste primeiro modelo em meados deste ano. E, depois, outros se seguirão!”