Elétricos

Primeiro ensaio Volvo XC40 T8 Recharge: provavelmente o melhor Volvo dos últimos tempos!

Por favor, não me interpretem mal! A Volvo tem sido uma das marcas mais estimulantes dos últimos anos e lembro, perfeitamente, a primeira apresentação da “nova” Volvo. Como o plano de combater os alemães era humilde e centrado na busca das suas soluções e não copiar as dos outros. Mas este XC40 com motorização 100% elétrica é, claramente, um dos melhores carros da casa sueca.

A Volvo quer que metade das suas vendas até 2025 sejam de carros 100% elétricos e os restantes híbridos. Há muito que acabaram com os motores a gasóleo – continuo a pensar que foi cedo demais… – e tem como objetivo ser carbono neutra em 2040.

Tudo isto obriga à produção de modelos 100% elétricos e o primeiro andamento é este XC40 T8 Recharge. 

É o modelo que a Volvo escolheu para nos convencer das vantagens da mobilidade 100% elétrica. 

O contacto com o carro foi curto e feito de uma forma peculiar – em fila indiana atrás de um “leader car” – entre Belém e Cascais. Mas como diz o povo “raposa velha” acabei por conseguir experimentar algumas coisas. O que vai ler a seguir é a minha opinião educada por um curto contacto e não pelo que, simpaticamente, um elemento da “Empista” nos ia contando pelo rádio. Posso até mudar de opinião, mas para mim, este Volvo XC40 T8 Recharge é um dos melhores elétricos que já conduzi!

O QUE É ESTE XC40 ELÉTRICO?

Ora vamos lá à parte das porcas e parafusos. Perdão, à eletrónica! Desde logo dizer-lhe que o XC40 tem como plataforma a mesma que serve os modelos da Polestar que, saindo da orbita próxima da Volvo, seguirá o seu caminho. Por isso é que a gama Recharge será a submarca elétrica (100% elétricos e híbridos) da Volvo.

Quer isto dizer que por baixo do manto está a CMA (Common Modular Architecture) pensada para a utilização de uma unidade de potência elétrica. Uma excelente notícia, pois, o XC40 fica exatamente igual ao… XC40! Ou seja, a funcionalidade não ficou comprometida.

Agora, olhemos para os números. 

O XC40 T8 Recharge tem uma bateria de 78 kWh que está colocada no fundo do carro entre os dois eixos. Cada um deles tem um motor elétrico (quer isto dizer que o XC40 T8 tem dois motores). 

Com 204 CV cada um, a potência é de 408 CV e o binário atinge massivos 660 Nm. Olhando assim, parece tudo muito e estamos no mundo dos desportivos. Mas estamos a falar de eletricidade… 

Estas cifras permitem que o XC40 T8 Recharge vá dos 0-100 km/h em… 4,9 segundos! Definitivamente, estamos em território dos desportivos, ainda por cima quando vai dos 100 km/h a 0 km/h em 36 metros. A velocidade máxima está limitada aos 180 km/h como sucede nos outros Volvo. E esta é uma medida que, pessoalmente, aplaudo!

E já deve estar a perguntar pela autonomia. Homologada? É superior a 400 km e como o carro tem carregador interno de 150 kW, em 40 minutos recupera 80% da carga. Já num posto de carregamento convencional 7-11 kW, são necessárias 8 horas para ter 100% de carga. E sim, tudo isto é igual ao Polestar 2 “Long Range Dual Motor”.

Esta versão 100% elétrica do XC40 é muito semelhante a um XC40 “normal” exceto a grelha dianteira, devido a obrigatoriedade legal, pintada da cor da carroçaria e o carimbo Recharge no pilar C, a porta que tapa a tomada de energia localizada na ilharga traseira esquerda e as jantes de liga leve redesenhada.

Ou seja, se comprar um XC40 T8 Recharge dificilmente vão dizer que está ao volante de um caro elétrico. Gosto!

COMO É O XC40 T8 RECHARGE EM UTILIZAÇÃO?

Tenho de dizer que o XC40 tem um desenho inspirado, obra de um britânico (Ian Kettle) que deu personalidade a um SUV que se destaca no meio da multidão. Hoje está na Tesla…

Confesso que depois de ter experimentado o XC40 híbrido, a curiosidade era imensa para ter um primeiro contacto com a versão 100% elétrica. Porque, na minha opinião, o XC40 é um dos melhores SUV do segmento, pois além do estilo que o diferencia, tem funcionalidade, mantida neste Recharge, qualidade de construção e facilidade de utilização.

A Volvo tem engenheiros inteligentes e, certamente, alguns psicólogos. Um dos travões à propagação dos veículos 100% elétricos é a ansiedade com a autonomia. Ora, o XC40 T8 Recharge recebe um novo ecrã com 12,3 polegadas que funciona como painel de instrumentos. Grafismos, como sempre, corretos e uma configuração a roçar a perfeição. Mas, dizia eu, a Volvo não mostra a autonomia do carro, apenas a contagem decrescente da capacidade da bateria.

Sabe porquê? Você sabe quantas horas é que tem disponíveis com a carga do seu smartphone? Pois não… tem a indicação da percentagem da bateria. Pronto, aqui é igual e tenta-se desviar a atenção da ansiedade pela falta de quilómetros. Resulta? Não faço a mínima ideia, mas eu sou daqueles que não sofre de ansiedade.

Entretanto, a Volvo mexeu na configuração do sistema de info entretenimento cuja interação estava longe de ser perfeita.

Além disso, é o primeiro Volvo a receber o sistema de info entretenimento baseado no sistema Android que inclui o Google Maps, Google Play e o sistema de reconhecimento de voz da Google que não deu para experimentar. 

Quer isto dizer que pode trazer para dentro do XC40 T8 Recharge a sua conta do Google e personificar tudo, desde o Spotify ao Waze, enfim, uma multiplicidade de coisas que pode, agora, fazer com o sistema de info entretenimento e conectividade da Volvo. Sem esquecer o Volvo On Call, que permite aquecer ou arrefecer o habitáculo remotamente e tem uma navegação que mostra todos os pontos de recarga para planear uma viagem. E as qualidades do XC40 T8 Recharge, digo-lhe desde já, vão levá-lo a escolher a rota mais óbvia… pelas estradas nacionais!

E COMO É O INTERIOR DO XC40 T8 RECHARGE?

Espaçoso. É uma boa palavra para descrever o interior do XC40. As baterias e os controladores não roubam um milímetro de espaço ao habitáculo. É verdade que perdeu 47 litros de espaço na bagageira (o motor elétrico assim obriga), mas a Volvo mitigou essa redução com um “frunk”, bagageira na dianteira, com 31 litros. Contas feitas, são 413 litros que podem chegar a 1342 litros com o rebatimento das costas do banco traseiro.

A posição de condução é elevada – como você gosta, caso contrário não escolheria um SUV – com os bancos da Volvo a manterem a tradição de conforto e ampla regulação. Como disse espaço não falta e a única critica que faço é a de sempre: há alguns plásticos na parte inferior do tabliê que não rimam com os restantes e alguns materiais frágeis. É verdade que tem de procurar para os encontrar, mas estão lá e, na minha opinião, não deveriam. Talvez sejam materiais reciclados. Acredito. Mas a sustentabilidade não permite tudo e aqui deveria ter havido mais algum cuidado.

E COMO É CONDUZIR O XC40 T8 RECHARGE?

Em primeiro lugar há que lembrar uma coisa simples… o XC40 T8 Recharge pesa mais 500 kgs que um XC40 a gasolina. Sim, leu bem! Meia tonelada a mais, ou seja, pesa 2220 kgs!

A mobilidade elétrica obriga a que tudo aquilo que defendemos durante décadas… caia por terra. Os carros elétricos ainda vão demorar muito tempo até terem baterias mais leves. Por agora temos de lidar com o peso… muito peso.

Dizem os conhecedores que o peso é inimigo da performance e inclino-me nessa direção. Mas depois de andar um pouquinho com o XC40 T8 Recharge… talvez não seja bem assim.

Alguns não lembram, mas conhecem o Volvo 850 T5 ou o 850 R. Eu lembro-me muito bem de ambos e da forma como destruía os pneus dianteiros com a fúria do motor de cinco cilindros turbo. Mas a Volvo conseguiu fazer um carro executivo com performance de desportivo. E velozes, absurdamente, velozes!

Ora, o XC40 T8 Recharge trouxe-me à lembrança bons tempos passados ao volante do 850 T5-R e 850 R. 

Sim, o XC40 T8 Recharge tem uma aceleração espetacular… cola-nos ao banco atirando as mais de 2,2 toneladas para diante com uma facilidade impressionante. Mas mais!

Podemos abusar e numa rotunda atirá-lo para dentro que sai, sempre, de forma graciosa. E tudo com um belo controlo dos movimentos da carroçaria e do peso. Que está colocado no meio do carro e no fundo, melhorando, muito, o centro de gravidade. É verdade que se abusar em demasia na entrada em curva – no meu caso nas rotundas da Marginal – a frente perde aderência, empurrada pelo peso. Mas é mesmo na base do verdadeiro abuso!

E tudo isto sem beliscar o conforto, passando pelas zonas mais esburacada com uma facilidade que me deixou impressionado.

E depois, tenho de voltar a dizer que há muita gente inteligente na engenharia da Volvo. O universo da mobilidade elétrica é complexo e a Volvo quis desligar o complicador.

Assim, o acesso é mãos livres e não há botão de arranque. É sentar e acionar a alavanca da caixa para que o sistema “acorde” e possa arrancar. Simples!

Não há modos de condução apenas níveis de regeneração de energia que, no ponto na definição máxima, permite conduzir apenas com o pedal do acelerador. Não é fácil, mas com o tempo aprenderá e verá que é altamente satisfatório.

Além de tudo isto, o XC40 T8 Recharge está equipado com muita tecnologia de ajuda à condução e de segurança. O sistema Pilot Assist, a condução semiautónoma da Volvo, foi melhorado com a ajuda da Google.

O QUE É QUE EU PENSO DO XC40 T8 RECHARGE?

Não lhe posso dizer nada sobre consumos, mas pareceu-me que a autonomia de 418 km (WLTP) e 534 km em cidade, são otimistas. Particularmente se explorarmos todas as capacidades do sistema elétrico. Mas isso até nem é importante e acredito que seja possível ir até ao Algarve com uma carga de bateria. O que lhe posso dizer que este será, porventura, o melhor XC40 e um dos melhores Volvo de sempre. Se a eletrificação é assim, venha ela! O carro é excelente e se os 57.151 euros (ou 598€/mês) são pesados, a verdade é que olhando a outros modelos, o XC40 T8 Recharge justifica a etiqueta de preço. Acreditem, é um carro quase irresistível, pois alia a economia da eletricidade mais barata que a gasolina ao comportamento, o conforto à facilidade de utilização, o estilo diferenciador à qualidade sueca. E a autonomia é mais que suficiente para qualquer tipo de utilização. Enfim, apesar do curto contacto, adorei o Volvo C40 T8 Recharge não tenho problema em dizer que foi o melhor elétrico que conduzi até hoje. Parabéns Volvo e continuem a aplicar o conceito Jantelagen…