Antevisão

Nissan acaba de apresentar em Nova Iorque o novo 400Z com 400 CV e caixa… manual de 6 velocidades!

Finalmente, depois de um ano de espera – três se recordarmos que a Nissan revelou o carro a alguns jornalistas, onde estava incluído, numa visita ao centro de estilo no Japão em 2019 – o 400Z foi revelado.

Os Estados Unidos da América serão o primeiro mercado do novo Nissan 400Z, a sétima geração de um carro icónico que representa mais de 50 anos de história. Depois do 370Z que se afastou um pouco do original, a Nissan recentrou-se na história e fez um carro muito bonito e que honra a memória do modelo original.

Foram vendidos mais de 1,8 milhões de unidades do Z e por isso a Nissan não podia, simplesmente, virar-lhe as costas.

Ashwan Gupta, o COO da Nissan foi um dos responsáveis deste projeto ter sobrevivido contando com a inestimável ajuda de Alberto Albaisa, o patrão do design a nível internacional da Nissan.

Quando estive em Tóquio, o cubano radicado nos EUA e a viver no Japão, disse-me que este seria o derradeiro Z, o verdadeiro herdeiro, mas que nasceu num mundo diferente onde, em 2019, o avanço da mobilidade elétrica já era forte. Aliás, foi o Ariya que me levou até ao País do Sol Nascente ara ver, entre outros, o novo Z. E mais algumas novidades bem interessantes.

O Nissan 400Z tem um motor V6 de 3.0 litros biturbo – uma heresia no Velho Continente e por isso talvez os europeus não tenham direito a receber a sétima geração do Z – com 405 CV e 475 Nm de binário às 5600 rpm.

O chassis foi amplamente melhorado, as suspensões, direção, refrigeração, enfim, tudo foi alterado para encaixar o aumento de potência e de performances.

Outra das boias surpresas é que o Nissan 400Z será oferecido com caixa manual de seis velocidades e tem como opção uma caixa manual com 9 velocidades.

Está equipado com um sistema de “launch control” para a caixa manual e um sistema semelhante para o carro de caixa automática. O carro com caixa manual tem um veio de transmissão em carbono e um sistema que faz por nós o ponta tacão.

Sendo mais rígido e melhor construído em termos dinâmicos, o 400Z melhorou, diz a Nissan, 13% no que toca a curvar.

Há dois modos de condução para a caixa automática: Standard e Sport. Este último tem influencia no acelerador, na direção e nas suspensões, entre outras coisas, incluindo o som que sai do sintetizador de ruído. O carro tem diferencial autoblocante nas rodas traseiras.

No interior, tudo digital, com os três instrumentos no topo do tablier a manterem-se como ligação ao modelo original.

Não se sabe se o carro vai chegar á Europa e a que preços, mas nos EUA o carro arranca nos 40 mil dólares… uma pechincha!