Ensaios

Ensaio Ford Ranger Thunder: infelizmente… em vias de extinção!

Produzida pela marca que comercializa o carro mais vendido no mundo, a Ford F-150, difícil era a Ranger não ser a melhor pick-up do mercado. É a mais vendida na Europa, mas está a caminho da extinção… Infelizmente! Ensaio à esta versão especial Thunder que é uma espécie de Raptor em saltos altos.

Rating: 4.5 out of 5.
  • A Favor -Suspensão, Refinamento, Comportamento
  • Contra – Consumos, Performances, Preço

Confesso que quando peguei na Ranger tive de parar um momento e fechar os olhos. A Ford Ranger, nesta versão especial Thunder, não é tao grande como uma F150 ou impactante como a Raptor, mas mesmo assim… é imponente! 

Faz sentido? Não! É enorme para a nossa realidade, custa muito dinheiro, enfim, é um carro que reclama o título de melhot pick-up do mercado, é a mais vendida na Europa, mas está em vias de extinção. Seja como for, tivesse o dinheiro necessário e já cá estava esta Thunder e uma Ranger Raptor!

Estilo sedutor

Os SUV continuam a dominar o mercado e dentro destes, as “pickup” pareciam ganhar tração e importância, com a Mercedes a entrar na dança com uma Navara travestida. Não correu bem, a Classe X já está nas prateleiras da memória e houve uma calma na fervura, com algumas marcas a arrepiar caminho.

A Ford continua, lidera o mercado europeu e atira-nos esta fantástica Ranger Thunder, mais civilizada que a Raptor. Não há alargamentos das cavas das rodas – embora a ranger já os tenha e generosos – como na Ranger, as jantes são grandes, mas não tanto como na Raptor e tudo é mais sereno e calmo, descontando o gigantesco “Thunder” nas portas.

E para que não se sinta falta de nada, há estribos laterais pintados com tinta resistente a tudo, tal como a liga de aço que faz estes estribos. É impressionante como fora de estrada resistem a tratamento de polé! E como são de enorme ajuda para chegarmos ao interior.

Interior à americana, mas com algum requinte

Não é o local mais bonito para estar, mas alguém esperava de uma pickup um exercício de estilo italiano? A base é um carro de trabalho e isso é evidente. Não há volante em Alcantara, não há pedais em alumínio. Há pele e alcantara nos bancos, mais envolventes que a maioria das pickup, o volante é enorme. 

Para tentar dar um aspeto mais Premium, o topo do tabliê está forrado a pele, a alavanca da caixa de velocidades também, tal como o travão de mão, com pesponto em vermelho em todas estas zonas. A fonte dos instrumentos é a mesma dos modelos comuns da Ford

Há, ainda, um ecrã central para o sistema de info entretenimento e muito espaço dentro do habitáculo servido por quatro amplas portas que têm o apoio dos dois estribos laterais robustos para entrarmos no habitáculo. Depois de ter trepado para dentro da Ranger, fechadas as portas, apenas os plásticos de menor valia, o enorme volante e alguns detalhes, deixam perceber que este é um carro comercial.

Atrás da cabina está uma ampla caixa de carga, com um engenhoso sistema de fecho e proteção, com redes interiores para separar o que quer que lá coloquemos. Sendo tão alta, abrir o portão traseiro é fácil, mas meter lá dentro alguma coisa é mais complicado. E tirar de lá, mais ainda.

E em estrada como é a Ranger Thunder?

O Ranger Thunder é um carro enorme com 5363 mm de comprimento e 2180 mm de largura, o que não é propriamente fácil, especialmente em cidades como Lisboa. Confesso que muitas vezes tive de ir dar a volta para evitar algumas ruelas e em outro locais a coisa foi “resvés Campo de Ourique”. 

No tráfego, por outro lado, é uma delícia, pois a enorme frente causa apreensão aos outros e nos cruzamentos, acontece a mesma coisa, com alguns carros a ficarem com o estribo à altura dos vidros. Para perceberem, o Ford Ranger Thunder tem uma volumetria ligeiramente inferior a um Mercedes Classe S!

Fora de estrada, nos grandes espaços, o Ranger Thunder é excelente, podendo jogar com as opções de tração. Infelizmente é muito peso para o bloco turbodiesel e andar depressa em terra só com o ESP desligado e sempre aproveitando o embalo, ou seja, travando pouco e deixando o chassis trabalhar.

Obviamente que está longe do que consegue fazer a Ranger Raptor, mas também não é isso que se pretende com esta versão Thunder, mais smoking e salto alto que calções e botas da tropa.

Em estrada, as coisas não são diferentes. Podemos impressionar um incauto ou alguém que não tenha muita a noção de velocidade. O muito peso e a pouca potência não deixam acelerar muito, com o 0-100 km/h feito em 10 segundos e a velocidade máxima não vai além de 170 km/h. 

Depois, a direção que tantas alegrias oferece fora de estrada pela sua precisão e peso suficiente, em alcatrão perde muitas dessas características. É preciso mais algum esforço para obrigar o Ranger a virar devido à folga no centro e a característica mais suave das suspensões.

E sendo um verdadeiro todo o terreno, a Ranger adorna um pouco, a frente arrasta mais um pouco, mas lembrando os bons velhos tempos, basta antecipar um pouco a entrada em curva que tudo corre da melhor maneira.

O tamanho não intimida quando andamos depressa em estradas nacionais e municipais, conseguindo manter um bom ritmo. Mas ao contrario do que se pode fazer com a Raptor, os pneus mais estradistas da Thunder não podemos atalhar muito.

Tudo muda de figura quando o piso está molhado: há que ter muito cuidado com o acelerador e com a entrada em curva. A frente perde facilmente aderência e sem cuidado com o acelerador, a traseira descola facilmente mesmo com o ESP ligado. Os ângulos de desempenho são bons, mas tenha atenção que o diâmetro de viragem é medíocre.

Mecânica a menos para o peso

Em outro carro qualquer, o bloco 2.0 litros turbodiesel da Ford com 213 CV seria uma delicia, porém, com mais de 2500 quilos de peso, acaba por ser escasso e as performances dizem isso mesmo. Depois, a caixa automática de 10 velocidades tem marchas a mais e em fora de estrada acabam por atrapalhar se deixarmos a caixa em modo automático. É preferível andar com o modo manual e usar as primeiras cinco velocidades. A travagem é boa e em modo de cruzeiro, o motor é excelente, até porque não se faz ouvir contribuindo para o excelente ambiente a bordo.

Felizmente que o Ranger tem um depósito de 80 litros (o de AdBlue, a ureia líquida é de 20 litros), embora devesse ter um de 100 litros. É que os consumos do bloco turbodiesel 2.0 litros EcoBlue não são propriamente de um pisco. A Ford anuncia um consumo misto de 8,9 l/100 km, mas nunca consegui lá chegar. Nem por sombras! O melhor registo, depois de muita calma e cuidado, foram 10,9 l/100 km. Dando largas ao comportamento e tirando tudo o que o motor deixava, especialmente fora de estrada, a média rondou os 13 l/100 km. É mau? Não! Para um carro com mais de 2500 quilos e com 213 CV, é preciso gasóleo para nos divertirmos. E isso, posso garantir que o dinheiro é bem gasto!

O que é que eu penso do Ford Ranger Thunder?

Por um lado, é um automóvel imponente, eficaz em estrada e fora dela, com conforto e um interior que não sendo uma peça de design, é agradável, confortável e onde dá gosto viver. Por outro lado, custa quase 52 mil euros e só há 177 unidades desta edição especial. Mas também ganha um nível de equipamento fantástico que quase paga o valor final do carro. Convirá lembrar que para ter uma Thunder como esta, terá de juntar mais 2379 euros do pacote Wildtrack Thunder. Ou seja, o preço vai para perto dos 57 mil euros.

Ficha técnica

Motor: 4 cil em linha com injeção direta, biturbo de geometria variável com intercooler; Cilindrada (cm3):1996; Diâmetro x Curso (mm): 84 x 90; Taxa de Compressão: 16.0:1; Potência máxima (CV/rpm):213/3750; Binário máximo (Nm/rpm): 500/1750 – 2000; Transmissão: Integral permanente com caixa automática de 10 velocidades; Direção: Pinhão e cremalheira assistida eletricamente; Suspensão (ft/tr): independente com baços de alumínio/eixo rígido com multibraços; Travões (fr/tr): Discos ventilados; Prestações e consumos, Aceleração 0-100 km/h (s): 10,5; Velocidade máxima (km/h): 170; Consumos extra-urb./urbano/misto (l/100 km): 8,0/10,6/8,9; Emissões CO2 (gr/km): 233; Dimensões e pesos,Comprimento/Largura/Altura (mm): 5363/2180/1873; Distância entre eixos (mm): 3220; Largura de vias (fr/tr mm): 1710/1710; Peso (kg): 2510; Capacidade da bagageira (l): nd; Deposito de combustível (l): 80; Pneus (fr/tr): 245/40 R18; Preço (Euros): 51.526